LiGhTnInG bOy

Sunday, September 03, 2006

Começei este blog como um blog para carros,mas serve tambem para outra paixoes=) uma delas e o bodyboard e do qual me orgulho fazer parte,e porque em pe e bom mas deitado inda e melhor,para sempre orgulhosamente rastejante! \m/


Porque so te conheço ha um dia e ja es especial,pq fizeste esta montagem perfeitissima de nos os dois,pq es alguem na minha vida!=) adorote imenso brazee@@@

Wednesday, July 12, 2006

Nissan Skyline GT-R R34(1999)

Perfeito Demais=)

Dodge Charger

" American Muscle"

Tuesday, December 13, 2005

Ford Mustang GT500(1967) "Eleanor"

ELEANOR-->O PERFEITO GT 500 DE 67=)
Tudo se resume a este carro,o blog o meu gosto pelos carros e pelo tuning este sim e perfeito e impossivel de nao se gostar dele.
A primeira apresentação do Mustang ao Mundo ocorreu a 17 de Abril de 1964, na World's Fair de Flushing Meadows, em Nova Iorque.
Na noite do dia anterior, as cadeias de televisão ABC, NBC e CBS mostravam os primeiros anúncios sobre o modelo, pelo que o burburinho à volta do mesmo tornou-se muito considerável.Logo que Henry Ford II mostrou o modelo e encabeçou o cortejo Magic Skyway, da Disney, em que os convidados foram transportados em automóveis Ford, e que teve lugar no perímetro do Ford Pavillion, os concessionários foram imediatamente inundados de encomendas de clientes que queriam tornar-se nos primeiros proprietários do Mustang.S
ão várias as histórias à volta do modelo, como a de um homem que dormiu dois dias dentro do seu Mustang acabado de comprar, enquanto aguardava que o seu cheque fosse descontado; ou o outro que entrou com a sua pick-up pela vitrine de um concessionário, aparentemente na ânsia de chegar ao novo Mustang que tinha conquistado o seu coração. A Ford vendeu cerca de 22.000 unidades no primeiro dia de comercialização do modelo. Nos primeiros 12 meses, venderam-se mais de 400.000!Os primeiros Mustang contavam com quatro motores disponíveis - desde o seis cilindros de 2.786 cc de 101 cv, ao V8 High Performance de 4.736 cc e 271 cv - nas carroçarias coupé ou cabriolet. Mais tarde o modelo passaria ainda a contar com duas outras motorizações.O chassis do Mustang original baseava-se no Ford Falcon, medindo 4.613 mm de comprimento, 1.727 mm de largura e tendo uma distância entre-eixos de 2.743 mm, valores que, basicamente, eram as medidas do Falcon. As primeiras unidades foram vendidas a um valor médio de 2.812 dólares, incluindo uma média de 371 dólares em opcionais.Fig.1 - Frente do Mustang de 2005Mas, enquanto o público apenas viu o veículo pela primeira vez a 17 de Abril, as primeiras unidades de produção haviam saído da linha de montagem em Março, dado que os concessionários necessitavam de ter stocks nos salões para tirarem os dividendos da apresentação que se avizinhava.O VIN (Número do Identificação do Veículo) do primeiro de todos os Mustang era 5F08F100001, um descapotável na cor Wimbledon White equipado com um motor V8 de 4.261 cc. Logo após a sua saída da linha de montagem, seguiu para o Canadá, para fazer parte de um tour publicitário que o levou até ao concessionário George Parson, em St. Johns, na Terra Nova.A sua história cruzar-se-ia com a de Stanley Tucker, um piloto das linhas aéras canadianas que tivera o seu baptismo de vôo aos 19 anos. Nos anos 50, Tucker pilotava pequenas aeronaves no leste do Canadá, para além de aviões Douglas DC-3 e Curtiss C-46 a partir de Montreal. Mais tarde, tornar-se-ia comandante na Eastern Provincial Airlines, baseada nas imediações de St. Johns.Um dia, em terra firme, enquanto conduzia o seu Pontiac nas estradas de St. Johns, Tucker cruzou-se com uma grupo de pessoas que se acercavam do Mustang n.º1 de VIN 5F08F100001. Tucker disse a Parsons que queria comprar aquele Mustang, mas este hesitou, pois queria manter o interesse gerado à volta do modelo. Porém, quando no dia seguinte Tucker se apresentou na concessão de cheque na mão, Parson aceitou o negócio.A revista "Mustang Monthly" citou Tucker sobre as suas primeiras impressões sobre o automóvel: «Durante muito tempo, fui o único "Mustanger" da Terra Nova. Foi uma experiência e pêras. Em ocasiões várias, outros condutores forçaram-me a parar na berma da estrada para me fazerem perguntas sobre o automóvel - o que era, de que marca, se eu gostava e quanto tinha custado. Foi uma verdadeiro prazer tê-lo e conduzi-lo. Entrar no seu interior e sentir-me como parte da máquina, como acontece quando estou a voar.»